Responsável dos Sistemas de Informação Geográfica
Águas do Alto Minho

Licenciado em Geografia e Planeamento pela Universidade do Minho, Mestre em Gestão Ambiental e Ordenamento do Território, Pós-Graduado em Sistemas de Informação Geográfica e em Gestão e Reabilitação de Infraestruturas Hidráulicas. Iniciou a sua atividade profissional em 2007, passando por alguns gabinetes de Engenharia, desempenhando funções de análise de projetos, PDM’s e Sistemas de Informação Geográfica. Em 2009 ingressou nos Serviços Municipalizados de Saneamento Básico de Viana do Castelo (SMSBVC) como técnico Superior SIG, integrando uma equipa multidisciplinar de gestão de cadastro de infraestruturas. Em 2020 ingressou na Águas do Alto Minho sendo o responsável pela área dos Sistemas de Informação Geográfica, integrando a Direção de Engenharia e Gestão de Ativos. Paralelamente, colabora com diversas instituições de ensino, no âmbito da difusão e integração de ferramentas de Informação Geográfica.

SIG, o Impulsionador da Transformação Digital

SIG: Colaboração e Partilha | 14h50


A Transformação Digital está na ordem do dia e é tema recorrente para qualquer Entidade Gestora que se queira tornar eficiente, competitiva e preparada para o futuro.

A integração da tecnologia nos processos diários de uma empresa, exige mudanças que muitas das vezes se transformam em obstáculos.O aproveitamento das novas tecnologias para simplificar procedimentos e promover melhorias de forma a maximizar resultados, minimizando gastos e recursos, tornou-se o maior desafio da atualidade empresarial.

Os Sistemas de Informações Geográfica (SIG) demonstraram ser um perfeito impulsionador da Transformação Digital, através do vasto conjunto de ferramentas, análises, procedimentos de agregação e partilha de informação, alicerçando pilares fundamentais a este novo paradigma.

Ao longo dos últimos dois anos, as Águas do Alto Minho (AdAM) desenvolveram, através dos SIG, uma agregação total de todas as suas infraestruturas e redes, na gestão e organização dos ativos, no desenvolvimento de aplicações e soluções web que permitem distribuir e difundir informação, no suporte às dinâmicas das áreas da Engenharia, Operação e Gestão Comercial, através da implementação de dinâmicas e rotinas associadas aos trabalhos diários, transversais a toda a Organização.

Ao longo deste período, foi integrado todo o cadastro dos sete Municípios que constituem a AdAM, normalizando uma grande quantidade de dados, dispersos por várias Bases de Dados, integrando-os num modelo de dados único, fiável e flexível.

Com a organização de todos estes recursos, é hoje possível difundir conteúdos, através de uma plataforma Web composta por vários sites de informação geográfica, dedicados às várias Direções e Equipas, a possibilidade de acesso a um vasto conjunto de aplicações móveis de consulta e edição, a disponibilização de Dashboards de controlo e análise de dados, até à componente de Realidade Aumentada que nos permite visualizar toda a informação cadastral, de forma tridimensional e em tempo real.

A utilização de um modelo de dados de Informação Geográfica, desenhado com o intuito de potencializar um acesso verticalizado da informação a vários níveis, permitiu a melhoria dos procedimentos de orçamentação, de vistorias, do acompanhamento de obras e empreitadas, assim como a gestão e o contacto com o cliente, fruto do acesso universal e simplificado a toda a informação SIG.

Com todas as potencialidades associadas aos Sistemas de Informação Geográfica, desenvolvemos ferramentas transversais e inclusivas. A transversalidade, permite a todas as direções e seus colaboradores o acesso à informação dedicada, de forma compreensível e simples; a inclusividade presente na disponibilização da informação a todos, sem limitações ou restrições, permitindo consultas, análises, edições e diversas operações que garantem a dinamização de fluxos organizacionais.

O dinamismo reconhecido e intrínseco aos SIG, nas suas componentes de georreferenciação, análise, processamento e disponibilização de dados, são base estrutural da transformação digital que pretendemos mas, apenas poderemos usufruir de todas estas potencialidades, quando tratarmos estas informações como elementos constituintes de uma organização, garantindo o acesso integral e transversal a todos estes dados, difundindo a informação e tornando-a meio integrante dos procedimentos diários, acrescentando valor e permitindo uma maior celeridade na análise processual, como contribuindo para um serviço progressivamente mais eficiente.