Chefe da Unidade de Ambiente e Desenvolvimento (UAD)
Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central

Licenciada em Engenharia Zootécnica em 1992, pela Universidade de Évora. Mestre em "Gestão de Recursos Biológicos" (2000), pela Universidade de Évora. Doutora em “Ciências do Ambiente”, pela Universidade de Évora, tese “Modelação geográfica em processos de caracterização e avaliação da paisagem numa perspectiva transfronteiriça” onde obteve a classificação de 19 por unanimidade, com louvor e distinção (18/07/2014).

Sustentabilidade e Alterações climáticas: o PIAAC e a IG no Alentejo Central

SIG: Criar um Futuro Sustentável | 17h10


A sustentabilidade está alicerçada em três pilares fundamentais: o fator ambiental e a manutenção dos processos ecológicos; o fator social e a sua dimensão de equidade e inclusão e o fator económico e de equilíbrio entre custos e receitas.

Acontece que o fator ambiental é o fundamental para que todos os outros fatores possam ser desenvolvidos, sem a componente natural não é possível criar valor económico, não é possível a equidade social.

A sustentabilidade passa pelo respeito pelo tempo, o tempo necessário para que as plantas cresçam, o tempo necessário à depuração da água; o tempo necessário para a regeneração da floresta!

As alterações climáticas, fenómeno pelo qual está provado ser o homem o responsável, deve também alertar-nos para o desfasamento entre o tempo da humanidade (e da economia) e o tempo da natureza (ou a sua capacidade de resiliência).

Podemos ter duas atitudes, diminuir a atividade de exploração da terra e iniciar a mitigação dos impactes já ocorrentes ou adaptar-nos!

Nos últimos 3 anos a CIMAC estudou o fenómeno das alterações climáticas no Alentejo Central. O objetivo foi analisar a nível local e supramunicipal as vulnerabilidades atuais e futuras do território, das suas populações e instituições, tendo em consideração as previsões de alteração da composição da atmosfera até ao final do século, propondo um plano de ação para os distintos sectores.

A presente comunicação dá conta dos resultados desse trabalho e da componente geográfica desenvolvida para a monitorização desse fenómeno e da adaptação, o Portal SIG-GO.